Rachel de Queiroz – Biografia Resumida, Características, Principais Fatos e História

Rachel de Queiroz foi uma importante romancista, escritora, jornalista e dramaturga brasileira. Primeira mulher a fazer parte da Academia Brasileira de Letras e a vencer o Prêmio Camões, entre tantos outros conquistou ao longa de sua vida.

Autora de várias obras, tais como O Quinze, As três Marias e Memorial de Maria Moura, tem um lugar de destaque como uma das grandes escritoras da literatura nacional.

Nascimento e Juventude

Rachel de Queiroz nasceu em 17 de novembro de 1910, em Fortaleza, Ceará, filha de Daniel de Queiroz Lima e Clotilde Franklin de Queiroz. A mãe de Rachel tinha parentesco com a família do escritor José de Alencar.

Em 1915, por conta da seca, muda-se com a família para o Rio de Janeiro, e depois para Belém, no Pará, voltando para Fortaleza alguns anos depois. Após terminar os estudos, ingressa no jornal O Ceará, escrevendo contos e poemas. Aos 19 anos, publica uma de suas principais obras, O Quinze, tornando-se conhecida nacionalmente.

Início da Carreira

Nos anos seguintes, começa a se interessar por política, participando da formação do primeiro núcleo do Partido Comunista Brasileiro, em 1930. Deixando a política, muda-se para o Rio de Janeiro em 1939 e se casa com o médico Oyama de Macedo, com quem permanece até a morte deste. No rio, trabalhou como jornalista para o “Diário de Notícias”, “O Jornal” e a revista “Cruzeiro”, entre outros. Ao mesmo tempo, continua publicando várias obras de sucesso.

rachel de queiroz com máquina de escrever

Participou da 21ª Sessão da Assembleia Geral da ONU, em 1966, servindo como delegada do Brasil, trabalhando especialmente na Comissão dos Direitos do Homem. Foi membro do Conselho Federal de Cultura desde a sua fundação em 1967, até sua extinção em 1989.

A Entrada na ABL

Rachel de Queiroz foi eleita para a Academia Brasileira de Letras em 4 de agosto de 1977, em disputa contra o jurista Francisco Cavalcanti Pontes de Miranda pela vaga deixada pelo escritor Cândido Mota Filho. Foi a primeira mulher a entrar para a Academia Brasileira de Letras, tomando posse em 4 de novembro de 177, ocupando a cadeira nº. 5.

Principais Prêmios

rachel de queiroz segurando livro

  • Prêmio Fundação Graça Aranha para O quinze, 1930
  • Prêmio Machado de Assis, da Academia Brasileira de Letras, pelo conjunto de obra, 1957
  • Prêmio Teatro, do Instituto Nacional do Livro, e Prêmio Roberto Gomes, da Secretaria de Educação do Rio de Janeiro, para A beata Maria do Egito, 1959;
  • Prêmio Jabuti de Literatura Infantil, da Câmara Brasileira do Livro (São Paulo), para O menino mágico, 1969;
  • Prêmio Nacional de Literatura de Brasília para conjunto de obra em 1980;
  • Título de Doutor Honoris Causa pela Universidade Federal do Ceará, em 1981;
  • Medalha Rio Branco, do Itamarati, 1985;
  • Medalha da Inconfidência do Governo de Minas Gerais, 1989
  • Prêmio Camões, o maior da Língua Portuguesa, 1993, (primeira mulher a recebê-lo);
  • Título de Doutor Honoris Causa pela Universidade Estadual do Ceará – UECE, 1993;
  • Título de Doutor Honoris Causa pela Universidade Estadual Vale do Acaraú, de Sobral, em 1995;
  • Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique de Portugal, 25 de Março de 1996;
  • Prêmio Moinho Santista de Literatura, 1996, dentre outros inúmeros prêmios e títulos;
  • Título Doutor Honoris Causa da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, 2000.

Principais Obras

O QUINZE

Publicado em 1927, esse livro tem como pano de fundo a questão da seca no nordeste, e a luta do povo nordestino contra a miséria e as dificuldades da vida. Foi a primeira obra de destaque de sua carreira, e que lhe valeu um prêmio concedido pela Fundação Graça Aranha.

AS TRÊS MARIAS

Essa obra, publicada em 1939, conta a história de três garotas que se tornam amigas estudando em um internato, em Fortaleza. Com  o fim dos estudos, cada uma seguiu seu caminho, mas a amizade entre elas continua. O livro trata de questões como aborto, um tema muito complicado de se tratar naquele momento.

MEMORIAL DE MARIA MOURA

Talvez sua obra mais conhecida, principalmente pela série de TV exibida pela Rede Globo, Memorial de Maria Moura narra a história de Maria Moura, uma mulher que se envolve em uma violenta disputa de terras com outros parentes no final do século XIX.

Rachel de Queiroz faleceu no Rio de Janeiro em 2003, aos 92 anos de idade, deixando uma imensa obra literária, e seu nome gravado como uma das grandes escritoras da história brasileira.

Rafaela Trevisan Cortes

Rafaela Trevisan Cortes, jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). Revoltada por natureza, vê na comunicação uma oportunidade de extravasar a sua paixão por curiosidades, arte e conhecimento.

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

WebGo Content