Chico Buarque – Biografia Resumida, Características, Principais Fatos e História

Francisco Buarque de Holanda ou Chico Buarque, como é mais conhecido no Brasil e no mundo, nasceu no dia 19 de junho de 1944, na cidade maravilhosa, Rio de Janeiro, fruto do amor de Sérgio Buarque de Holanda e Maria Amélia Cesário Alvim.

chico buarque

Além de cantor, escritor, compositor, intelectual, instrumentista, dramaturgo, atuante político e artista, o protagonista deste texto é também considerado um dos principais nomes da Música Popular Brasileira (MPB).

Com tantos talentos e reconhecimentos, vale a pena continuar a leitura e conhecer mais sobre a vida desse brasileiro:

Biografia resumida de Chico Buarque

Ao citar seus ascendentes familiares e seu padrinho musical no trecho “O meu pai era paulista /Meu avô, pernambucano/ O meu bisavô, mineiro/ Meu tataravô, baiano/ Meu maestro soberano/ Foi Antônio Brasileiro” da canção nomeada “Paratodos”, Chico Buarque contou um pouco de sua vida e de suas exemplos.

Criado por um pai historiador e sociólogo renomado e uma mãe pianista talentosíssima, Francisco dividiu sua infância e adolescência com mais seis irmãos, e ainda criança, aos dois anos de idade, mudou-se com toda a família para a cidade de São Paulo quando o seu pai foi assumiu a direção do Museu do Ipiranga.

Imerso em tanto cultura e notas musicais, não demorou para que o interesse de Chico pelos palcos surgisse.

Com apenas cinco anos e recortando fotos de cantores de rádio como atividade preferida, o menino mostrou seus primeiros passos no universo musical.

A fim mesmo de trilhar sua trajetória de sucesso nos palcos, Chico passou a conciliar os estudos primários e secundários, que concluiu no Colégio Santa Cruz, com os ensinamentos e treinos em cima de palco; foi então que, ainda na capital paulista, apresentou-se pela primeira vez com a chamada “Canção dos olhos”, composição de sua autoria.

Talentos inquestionáveis

jovem chico buarque

Dá para acreditar que o mesmo adolescente que escrevia canções seguindo o estilo opereta para suas irmãs encenarem também lia clássicos da literatura alemã, francesa e russa?

Fica ainda mais difícil imaginar uma agenda com tantos compromissos ainda encontrar espaço para participar de movimentos religiosos e fazer parte de grupos voluntários?

Pois é, embora esse cenário pareça impossível para as crianças e adolescentes de hoje, que passam a maior parte do tempo em frente aos computadores, televisões e aparelhos celulares, para Chico Buarque, acordar e não viver todas os papéis acima (e muitos outros!) era não viver.

Diante de tanto esforço e dedicação, não demorou muito para que a imprensa notasse o garoto.

Segundo os estudiosos de sua vida, a primeira vez que o brasileiro foi personagem de uma matéria de jornal foi no ano de 1961.

Entretanto, ao contrário do que você deve estar imaginando, a manchete não ilustrava os inúmeros talentos de Chico, mas sim um erro que cometeu e resultou em prisão1: “Pivetes furtaram um carro: presos”, foram essas as palavras escolhidas pelo jornalista para contar a ocasião em que a dupla roubou um carro para passear pela madrugada e foram para a prisão.

Após esse episódio, Chico ficou proibido de sair à noite até completar 18 anos.

Com o passar dos anos, o carioca dedicou-se cada vez mais aos seus papéis e suas inúmeras conquistas de festivais e musicais, por exemplo, comprovam que os seus talentos sempre foram inquestionáveis.

cantor chico buarque

Discografia e videografia

Morte e Vida Severina, 1966,

Construção, 1971,

Ópera do Malandro, 1986,

Paratodos, 1993,

Caravanas – Ao Vivo, 2018,

Chico ou o país da delicadeza perdida (DVD), 2003,

Roda Viva, 2006.

Principais livros

Chapeuzinho Amarelo, 1979,

Estorvo, 1991 – Prêmio Jabuti,

Benjamim, 1995,

Budapeste, 2003,

Leite Derramado, 2009 – Prêmio Jabuti.

Músicas mais conhecidas

“Quem te viu, quem te vê”, 1967,

“Noite dos mascarados”, 1967,

“Cotidiano”, 1971,

“Apesar de você” , 1970,

“Construção”, 1971,

“O que será (à flor da pele)”, 1976,

“Olhos nos olhos”, 1976,

“João e Maria”, 1977,

“Pedaço de mim”, 1978,

“Cálice”, 1978,

“Geni e o Zepelim”, 1978,

“Eu te amo”, 1980.

E então, gostou de saber mais o queridinho dos amantes da MPB?

Ainda que de forma resumida, essa biografia de Chico Buarque é capaz de encantar os fãs e tornar fã quem nunca pensou em ser, não é mesmo?

Patrícia Fischer

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

WebGo Content